Notícias

Gestão das emoções também influencia sucessão familiar

publicado em 31 de março de 2022

Além de habilidades técnicas, os fundadores precisam desenvolver gestão emocional em si e nos filhos, recomenda Rossandro Klinjey  

Mais importante que assegurar que os filhos sigam os passos do fundador em uma empresa familiar é ter certeza que os pais investiram na qualificação e educação da segunda geração. O alerta foi dado hoje pelo escritor e psicólogo Rossandro Klinjey para uma audiência familiarizada com o desafio da sucessão familiar, em Campo Novo do Parecis.  

Rossandro se apresentou nesta manhã na Parecis SuperAgro 2022, num auditório com mais de 800 pessoas, entre produtores rurais, empresários e professores. O tema da sucessão familiar está na pauta estratégica da feira neste ano, cujo tema é “Novas gerações, novos caminhos”. 

Referência quando o assunto é a relação entre diferentes gerações, ele enfatizou que competências essenciais não são apenas uma boa formação escolar e acadêmica, mas principalmente habilidades socioemocionais.  

PSA 20220331a

A nossa principal gestão, a primeira, é de si mesmo. Você pode ser um bom gestor, mas uma única atitude equivocada pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso”. Conforme o psicólogo, a gestão emocional precisa ser aprimorada o tempo todo, muito além das competências técnicas. “São formações que devem ser desenvolvidas desde cedo. Não dá para colocar isso dentro do ser humano depois. Temos que construir ao longo da vida”. 

Rossandro salienta que quando se fala em sucessão familiar é preciso entender que as pessoas são individuais, particulares. “Mesmo que o filho vá para um setor diferente, e eu já vi vários casos, ele termina voltando para a empresa familiar”. Para o escritor, a não aceitação da decisão do filho pode fazer com que ele acabe criando uma aversão ao negócio da família. 

Outro ponto lembrado por Rossandro é que a empresa familiar é uma empresa na qual é preciso administrar ao mesmo tempo o profissional e o afetivo de uma forma mais intensa. “É importante deixar voar, porque depois o filho volta. Isso tem muito a ver com a forma com que os fundadores agiram quando os filhos resolveram fazer algo diferente: se com hostilidade ou com acolhimento”. 

A Parecis SuperAgro 2022 segue hoje à tarde com o especialista em agro internacional Marcos Jank, que falará sobre geopolítica e tendências do agronegócio global, em um painel promovido pelo Senar-MT. 

Documento sem título