Notícias

Tecnologias aplicadas à agricultura e à pecuária

publicado em 12 de abril de 2019

A Parecis SuperAgro deste ano debate o impacto das tecnologias no agronegócio. E nesta quinta (11), a programação começou com a palestra de Cristiano Zerbato, professor doutor da Unesp, tratando da agricultura de precisão. Para ele, a agricultura de precisão é uma forma de gerenciamento da fazenda.

“Toda essa tecnologia vem para o campo para auxiliar a gerenciar, de forma mais racional e assertiva, a propriedade rural. Ainda há muita resistência dos produtores convencionais, mas seus filhos estão estudando e assumindo os negócios. Eles poderão começar a utilizar as tecnologias para obterem informações, não há como voltar atrás”, afirma engenheiro agrônomo.

O especialista também reforça que a agricultura de precisão é uma atividade multidisciplinar. Não só o produtor rural precisa estar atento às novas tecnologias, mas precisa de profissionais que atenderão estas necessidades.

“Um agrônomo não vai desenvolver um software, ele precisará de um profissional de tecnologia da informação, de engenharia da computação. Outras carreiras também precisam se desenvolver para atender esta demanda”, diz. Como desafio, Zerbato aponta também o alto custo dos equipamentos, que, em sua maioria, são importados.

Na pecuária, um painel debateu aspectos importantes de gestão para a lucratividade da atividade. O zootecnista Welton Cabral falou sobre como é possível ter sucesso. “Eu acredito na cabeça do produtor, ele tem que querer fazer a melhor pecuária possível. Depois, tem que investir na equipe e nos processos: manejar pastagem, ter boa água pros animais, não deixar faltar suplemento, utilizar genética. Por fim, ter gestão de tudo isso e estar alinhado ao objetivo que é o lucro”, afirma.

O DDG, produto derivado no milho, foi tema da palestra do dr. Pedro Veiga Paulino, zootecnista e doutor em nutrição de ruminantes. “Os grãos de destilaria já estão bem conceituados na pesquisa e na literatura internacional. Nos EUA o uso já está bem consolidado, mas no Brasil ainda estamos derrapando um pouco por falta de conhecimento. Mas é um alimento bem interessante para usar tanto para animal confinado como para boi a pasto”, explica.

Ele ressalta que Mato Grosso vai ter uma oferta abundante em um futuro muito próximo e o pecuarista que sair na frente terá vantagens. O desafio, segundo o profissional, é na formação da dieta. “Ele tem características nutricionais próprias que precisamos levar em conta na hora de formular a dieta. Então, o pecuarista precisar ter um técnico capacitado para auxiliar”, afirma.

Para Breno Luna, que falou sobre ferramentas para lucratividade na pecuária, o desafio é diminuir o custo da dieta dos bovinos. “A única ponta onde o pecuarista pode mexer é no custo da dieta e diminuir o custo fixo da fazenda, porque o preço é fixado. Então, é preciso uma dieta mais enxuta, mais fácil de produzir e profissionais que estejam aptos para fazer isso com qualidade”, frisa.  A moderação do painel foi da diretora executiva da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Daniella Bueno.

Saiba mais

A Parecis SuperAgro 2019 é realizada pelo Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis e patrocinada pela Aprosoja-MT, Senar-MT, Áster e Syngenta. Tem apoio da Prefeitura, da Câmara de Vereadores e da Acrimat e a previsão de público é de 20 mil pessoas nos quatro dias da feira – 9 a 12 de abril. A entrada é gratuita.

 

Documento sem título